HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT

Já nas bancas a mais recente edição impressa do jornal O Vigilante

LEOPOLDINA

Em Editorial do jornal O Vigilante, que acaba de chegar à Banca do Calçadão e iniciar a circulação de sua edição mensal pela cidade, alguns dos principais fatos durante o mês de julho são destacados. “Assistimos a realização de uma Exposição Agropecuária e Industrial consolidada, consciente do seu papel na economia local. Comemoramos dois anos de implantação do 4º Pelotão de Bombeiros Militar no município. Lamentavelmente, registramos o falecimento do vereador Rosalvo Flauzino.

A violência corriqueira em um Brasil que luta para não ser dominado por criminosos, nos fez calar diante das cenas do Policial Militar Cabo Marcos Marques da Silva, de 36 anos, tombar em combate, covardemente assassinado por bandidos durante assalto a duas agências bancárias na cidade mineira de Santa Margarida, crime que também vitimou o vigilante Leonardo José Mendes, de 53 anos. No dia seguinte ao crime, com as presenças na Praça Félix Martins de militares da 6ª Cia PM Ind e civis da 3ª Delegacia Regional de Polícia Civil, um emocionante minuto de silêncio foi dedicado ao Policial morto – e também ao vigilante – enquanto tocavam as sirenes das viaturas. O ato ocorreu nos 853 municípios do estado e foi repetido em várias cidades brasileiras.

Já que mencionamos a Praça Félix Martins, um dos cartões postais da Athenas da Zona da Mata, traremos para o centro das discussões um registro deste último domingo, 30 de julho, sobre o péssimo estado em que se encontra a ponte localizada na Rua Padre José Gomes Domingues, esquina com a Rua Carlos Rubens de Castro Meireles, a “rua da bomba”. Longe de ser uma novidade, a situação foi mostrada em matéria publicada pelo O Vigilante Online no dia 8 de setembro de 2016. Naquela ocasião já lhe faltava um dos corrimãos, cujas colunas de sustentação estavam quebradas e com as ferragens expostas. A ponte é utilizada diariamente por muitos pedestres, dentre eles os alunos da Escola Estadual Emílio Ramos Pinto. Apesar do perigo oferecido à população, ganhou prioridade a repaginada em andamento na Praça do Rosário. No momento em que o arrocho financeiro pressiona a economia nacional e reduz as verbas públicas, seria mais prudente resolver o problema da ponte, destinando os recursos orçamentários para solucionar problemas como este, que afetam o dia a dia dos munícipes.

Se no caso da revitalização da Praça Félix Martins o local clamava pela intervenção promovida pela Administração Municipal, fato que merece nosso reconhecimento, na Praça do Rosário mais 30 ou 60 dias sem o início dos serviços não fariam tanta diferença. No entanto, cada dia, cada hora de ponte quebrada, representa muito.”

Boa leitura!

FIC CATAGUASES
FIC CATAGUASES