HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
HORIZONTAL – TOP BANNNER SOL E NEVE, ASAS MOTOPEÇAS & FADECIT
Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer
Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer


Em plena colheita, aproximadamente 50 toneladas serão produzidas este ano. Para 2018 a expectativa é de uma produção de 150 toneladas.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante Online
Composta por 890 pés em produção e com outros 600 em formação, a propriedade deverá produzir 50 toneladas de manga Palmer em 2017. Foto: Júlio Cesar Martins

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante OnlineUm produtor rural de Leopoldina é o proprietário da única lavoura comercial de manga do tipo Palmer no município. Há 20 anos como proprietário rural, o advogado Lúcio Heleno Rodrigues de Resende abriu as porteiras de sua propriedade, o Sítio Vargem Alegre, localizado na região do Alto Bela Vista. Em companhia do extensionista do escritório da Emater MG em Leopoldina, Cimar Onofre Barbosa, conhecemos sua lavoura de manga Palmer, em pleno período da colheita, que dura de 3 a 4 semanas.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante OnlineComposta por 890 pés em produção e com outros 600 em formação, a propriedade deverá produzir 50 toneladas de manga Palmer este ano e de acordo com Lúcio Heleno (foto), a expectativa é de que em 2018 sejam produzidas 150 toneladas. Perguntamos se existe mercado para que a manga da região seja comercializada, e Lúcio respondeu positivamente. “Tem comprador. Nós estamos dentro do mercado consumidor, nós temos 7 milhões há duas horas de Leopoldina e outros 7 milhões a 3 horas daqui“, mencionando Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. “As rodovias favorecem, o clima também. Nós conseguimos produzir numa época ocasional que ninguém tem. A manga que existe hoje no cenário nacional é a de Leopoldina, Rio Pomba e Piraúba. Tem uma janela no período de fevereiro a março que não existe produção, nem no Norte de Minas, nem no Nordeste, nem em São Paulo“, explicou. “O mercado de São Paulo começa a colher daqui a duas semanas”, esclareceu Lúcio Heleno na ocasião em que nos concedeu a entrevista, “então, tem esta sazonalidade que dá para colocar o produto com o valor melhor“, comentou.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante Online

Em relação à geração de empregos, Lúcio Heleno conta com dois funcionários diretos e em função da colheita, mais pessoas são contratadas. “De acordo com a demanda nós contratamos. Hoje nós estamos com 15 pessoas. Além dos empregos, a produção gera várias oportunidades, inclusive no transporte da produção“, informou.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante Online
A manga Palmer é cada vez mais encontrada nos supermercados e feiras brasileiras, possui um excelente sabor e praticamente não tem fibra. Seu caroço é pequeno e a polpa representa 72% do fruto. Quando está madura a manga Palmer tem a casca vermelha. A manga é chamada de “rainha das frutas tropicais“. Foto: Júlio Cesar Martins

Tanto Cimar, quanto Lúcio, acreditam que a região de Leopoldina tem condições de se tornar uma referência nacional na produção de manga. O produtor avalia que o mercado comporta a chegada de novos produtores de frutas: “A fruticultura tem mercado amplo e irrestrito. O que não podemos focar é somente no mercado de Leopoldina, que é limitado, mas o mercado consumidor do Rio de Janeiro e Belo Horizonte, não. O que você produzir você vende. Se você andar 50 km daqui de Leopoldina você vai chegar em uma área de produção que produz de tudo: manga, goiaba, limão, tangerina, graviola, e em alta escala“, afirmou, referindo-se a Tocantins, Astolfo Dutra, Piraúba, Mercês e Rio Pomba.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante OnlineO extensionista da Emater observa que a região onde estão estes municípios é um polo de fruticultura e possui as mesmas características climáticas e topográficas que Leopoldina. “E lá está se transformando num polo de fruticultura. Tocantins tem quase 1.700 hectares de tangerina Pokan, 1.000 destes hectares com assistência da Emater de Tocantins, fora o que não tem esta assistência. São 200 a 300 hectares de goiaba. Aproximadamente 2.000 hectares de frutas“, acrescentou Cimar (foto), demonstrando a viabilidade da fruticultura. “E o impressionante é que isso não contagia Leopoldina“, observou Lúcio Heleno, precursor no plantio de manga Palmer em Leopoldina, que tem potencial para as frutas tropicais, como manga, goiaba, mamão, dentre outras.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante Online
A região de Leopoldina tem condições de se tornar uma referência nacional na produção de manga. Foto: Júlio Cesar Martins

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante OnlineA Emater apoia e incentiva o trabalho de produção desenvolvido por Lúcio Heleno“, explicou Cimar Barbosa, destacando que Leopoldina tem potencial. “Precisamos incentivar outros produtores e mostrar esta iniciativa. O Lúcio é precursor e o único produtor do café Cunilon em Leopoldina. Quem tem café por aqui tem o Arábica. E ele também é precursor no plantio de manga. A única lavoura comercial de manga em Leopoldina é a do Lúcio“, frisou o extensionista da Emater, que no próximo dia 30 participará de um Seminário no auditório da Câmara Municipal, conclamando os produtores rurais de Leopoldina a participarem do PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar, considerada por ele uma excelente oportunidade de negócios, conforme demonstrou recente matéria publicada por O Vigilante Online.

Leopoldina desponta no mercado nacional através de produtor precursor no plantio de manga Palmer - Foto: Júlio Cesar Martins/O Vigilante Online
Exemplos como o do produtor Lúcio Heleno, sinalizam que Leopoldina pode se tornar uma referência regional e nacional na produção de frutas. Foto: Júlio Cesar Martins

De acordo com dados de 2010 do IBGE, o município de Leopoldina possui 1.418 propriedades rurais, mas nem todos se enquadram no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Através do PNAE, no mínimo 30% da merenda escolar devem ser adquiridos pelos estabelecimentos de ensino das redes públicas municipal e estadual, junto aos agricultores familiares, e as frutas fazem parte do cardápio das escolas. Atualmente, somente 4 agricultores familiares do município participaram do PNAE e fornecem alimentos para a merenda escolar. Os produtores que fazem parte deste Programa também podem comercializar seus produtos nos municípios vizinhos.

O VIGILANTE ONLINE
Reportagem e fotos: Júlio Cesar Martins

posts relacionados